segunda-feira, 2 de março de 2009

Sorrisos

O cimo da montanha é desejado por quem vive no sopé, mas é desprezado por quem, por cima, passa, cortando o vento com asas de metal.

Os problemas de que se padece são tudo o que ocupa a mente, tudo o que se vê, a água para o rio. A solução, a sua busca, são a miragem, a água no deserto.
Um sorriso faz, das palavras, quimeras para o coração. Não vivemos de forma a sorrir para as pessoas, mas vivemos a falar para elas. Todas as questões que nos impedem de sorrir uns para os outros são obstáculos a uma vivência em plenitude para o espírito. Os nossos problemas são grandes, enormes para a capacidade que pensamos ter. Maiores do que suportamos. A definição de uma deprimida existência pode revelar-se pela solução tardia de um problema.
Mas a solução é sempre a mesma. Para os meus problemas sou eu. Para os teus problemas és tu.
O espelho mostra-nos a verdade. Mostra quem somos, quem mostramos ser. Não mostra quem pensamos ou proclamamos ser. É duro. Inconveniente, mas não há fuga possível àquilo em que nos tornamos.
O caminho faz-se caminhando, com os olhos postos no caminho por caminhar e não no já caminhado.

1 comentário:

Catarina* disse...

De facto, a solução é sempre a mesma.

Gostei bastante deste ' :D

E estou a ser realmente sincera!

Um beijinhoooo'

e outro especial pra Veriinha, que sei que cá virá comentar porque é uma das meninas mais qeridas que eu conheço! ***