segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Nostalgia

Olho para a rua na esperança de te alcançar, de te encontrar, mas não encontro. Procuro o brilho do teu olhar, aquele que me faz sonhar por ti, ansiar de ti.

Procuro tudo aquilo que passou. Na calçada, debaixo dela, até já procurei no lixo do caixote, mas não veio. Não voltou. Não voltaram as horas às escondidas de todos, atrás das oficinas. Não voltaram os dias passados a olhar para ti, mesmo quando ainda não olhavas para mim. Não voltaram as aulas de Área de Projecto, em que fazíamos tudo para que te risses, te enervasses, no entanto nunca perdias a postura.
Não voltam os dias passados com as professoras e professores de sempre, aqueles que nos conhecem, que nos olham nos olhos e vêem a alma. Porque nós, desta idade, não conseguimos esconder a alma de um olho bem treinado.
Não voltarão as tardes passadas no clube, os dias passados no clube, só nunca lá passámos nenhuma noite. Comemos lá, borgámos lá, festejámos lá. Estudámos lá. Trabalhámos lá. E no fim, com a demolição daquele espaço foi um pedaço de cada um que só voltamos a encontrar no espaço reduzido que dedicamos às memórias mais felizes.
Na verdade, se à turma A1 fosse pedido um símbolo do que foi o seu 12º ano, seria o clube de certeza. Pelo menos para mim e para a cambada que lá ia bater a sesta, aliviar a pressão intestinal. Sacar as infindáveis séries de televisão americana, legendadas em brasileiro. E, sem nunca esquecer, espreitar as aulas de educação física de certas colegas nossas.
Foi toda uma conjuntura de boas filosofias. Desde o dolce faire niente, carpe diem, etc ( sem esquecer a preguiça, mãe de todas as filosofias, e elevada a um expoente máximo nas nossas vidas naquele clube, naquelas cadeiras, naquela carpete).
No final, sem grandes pressas, grandes correrias, excepto, vá, na semana da apresentação final do nosso grande trabalho (pena não ter sido gravado, grande momento de televisão, ao vivo!), fomos todos cortando a meta. Pena é alguns terem de continuar a dar voltas ao pavilhão.

p.s. podíamos ser uns ignorantes, uns burros, asnos completos em toda e qualquer matéria, mas éramos os masters das exposições orais de português!

4 comentários:

Verinhaa disse...

Que bonito!
Quase fiquei emocionada.
BeijiinhO!

P.S. Tenho saudades daquela escola e de tudo o que estava incluido nela!

pretendentes disse...

O pretendente coça Almondegas achou o texto extremamente porreiro pa'

Carla disse...

Epa...tou sem palavras...e lavada em lágrimas...n me preparaste para isto =')
Realmente, que ano nós passámos ;-), deixa muitas saudades..
Beijinhos

edite disse...

Bem!!! Estou com os olhos rasos de lágrimas... apesar de não ter vivido o clube, sinto que participei nessas aventuras. Obrigada!
D itokas