terça-feira, 30 de setembro de 2008

(sem titolo)

Quem diz que minto, mente
O que sinto, não sabe nem sente
O que faço são tudo prosas
Desfeitas e vendidas, foram as rosas.

Essas atingiram no buraco do Cupido
Deixando para traz um rasto sofrido.
Aquilo que está perto
Não seria isso por certo.

Todas as emoções devem ser contadas
Vividas e transformadas
Manter-mo-nos na nossa parte de chão
Para esfriar o comboio da razão.

Tudo o que nos dizem é pensado
Levado pelo comboio,
Virado.
No meio bóio.

2 comentários:

Catarina disse...

Gostei caramba' =)

Faz um texto qe eu não goste, ta?

*

Verinhaa disse...

Adoreiii.. Faz,lhe bem andar alegre escreve de uma maneira mais giraaa:D

BeijiinhO* E viva o Benfica!