terça-feira, 10 de junho de 2008

nem tudo coisas do diabo

Quando Deus fecha uma porta abre uma janela.

Esta frase é uma mostra da sabedoria popular agora suportada pela ciência.
Se Deus fosse bondoso como dizem que é abriria um portão na vez da janela.
Deus existiu, durante muito tempo para explicar o inexplicável, nos últimos anos (e não foram assim tão poucos assim) ganhou uma outra função. A de justificar extermínios.
Isto só mostra a evolução da mente humana.
Antes preocupávamo-nos em caçar para comer, e usávamos Deus como amuleto, para o caso de alguma coisa correr mal a culpa não ser nossa. Pois agora, com as novas tecnologias, primeiro as espadas, agora os mísseis, já não nos contentamos a caçar um veado, agora caçamos tudo o que nos incomoda, ou então tudo que não faz parte do mundo que aspiramos.
Tudo isto para dizer que usamos Deus mais do que ele nos usa a nós. Não é que ele se importe, duvido que assim seja, mas é injusto clamarmos justiça divina quando as coisas da Terra se resolvem na Terra. E a maior parte nem sentido tem. Apenas por meia dúzia de tustos.
Nada disto é novidade. Nada disto é novo. Nada do que se diz foi inventado, ou sequer pensado pela primeira vez. Já todos pensámos alguma coisa do género. Mas o que importa pensarmos nisto ou naquilo? Daqui a nada esquece-se e depois voltamos a pensar noutra coisa qualquer.
bibas cá do ambiente rural com casas restauradas e turista ingleses a tomar conta do vinho todo

2 comentários:

Someone disse...

Nos dias que correm,quando se cometem erros,a primeira coisa a fazer não é pedir desculpas, mas sim arranjar uma treta qualquer que nos isente de culpas.

Tretas.
Falsidades com que ninguém se importa.

Assim, arranjou-se uma personagem, que como não se pode manifestar ( pelo menos não tão explicitamente quanto desejariamos, e já estou a entrar num campo complicado, o das crenças) pomos todas as culpas para ele. Ele fez, mandou fazer! Coitadinhos de nós.

Cinismo que atrofia.

E aquilo que não tem solução, solucionado está, portanto, temos realmente que esquecer isto, e pensar noutra coisa qualquer!

*

[Acho que não preciso de dizer que gostei, pois não?]

Verinha disse...

Voltei a nao ser a 1ª a comentar nao por falta de oportunidade mas por preguiça.

Vou continuar a nao escrever comentarios bonitos!