quinta-feira, 26 de junho de 2008

Nevoeiro

O fim do aclamado. O inicio do não desejado. O fim da esperança de chegar. O inicio daquilo que se passar. Sebastião já não chegará. Mas o nevoeiro levantará, um dia, este nevoeiro que nos envolve, esta mancha que nos consome, este empecilho que na nos deixa ver, levantará. Aí nós voltaremos a ter esperança, não no passado, mas no presente do futuro dos Homens. Deixemos a lembrança, deixemos tudo aquilo que faz o nevoeiro, aquele que nos afunda, manter-se à superfície. Assim voltamos àquilo que um dia tivemos…

Um dia saberemos?

Não, nós nunca saberemos

Se o que fizemos

Foi o suficiente para que aconteça.

Resta-nos a esperança

De que alguém se lembre de nós

E pense que sim,

Que o chegámos a fazer.
um abraço que vos suje todos de terra

2 comentários:

Verinha disse...

Logo de manha a escrever um texto tao bonito. Muito bem!
Gosto especialmente da ultima parte!
Beijiinhos.
Eu sei qe nao e' um comentario grande deixo isso para os teus textos do Julio!

Someone disse...

Phfff.

Opá, olha, tá bonito. Gostei mesmo.

*

Beijinho'